Pular para o conteúdo principal

Caçada

Entrei no quarto e fui atingida pelo cheiro fraco de incenso e perfume amadeirado, o chuveiro estava ligado e sussurrava baixinho no outro cômodo. Suas roupas estavam largadas de qualquer jeito sobre a cama, como se não pudesse esperar se livrar delas e tivesse arrancado de seu corpo assim que possível. Não era a primeira vez que eu entrava em um quarto barato de motel, com a cama desconfortável e ar burocrático, mas sentia uma pontada de ansiedade no fundo do estômago. Acho que é assim que a pantera se sente logo depois de avistar sua presa.
Deixei meu casaco em uma cadeira e me aproximei da porta entreaberta do banheiro, de onde escapava vapor. Quando vi seu cabelo molhado e suas costas nuas, comecei a salivar. Lambi os lábios, nervosa, sedenta. Bati na porta com os nós dos dedos para anunciar minha chegada e encostei meu quadril na pia, de onde podia observa-lo.
- Você quer companhia?
Meus dedos já acariciavam o tecido de minha roupa, inquietos, esperando um sinal de aprovação. Ele virou o rosto na minha direção e depois de um olhar rápido para minhas coxas expostas, sorriu - e pude sentir suas segundas intenções como se ele tivesse me atirado um drink no rosto. Senti meus joelhos fraquejarem e meu coração bater tão rápido que conseguia ouvir o som do sangue fluindo na minha cabeça. Dei alguns passos e descartei minhas roupas, tentando parecer casual, embora sentisse que meus nervos fossem cordas de violão e vibrassem levemente. Me aproximei devagar e não conseguia tirar os olhos das gotas de água que escorriam por suas costas. 
Algo rugiu de satisfação quando estendi as mãos e toquei sua cintura, deslizando as mãos ensaboadas.  Ele se virou para me encarar de frente e a intensidade de seus olhos era tanta que senti meu couro cabeludo arrepiar. Ele estendeu um braço e me encurralou entre seu corpo e a parede.
A sensação da proximidade estava deixando meus sentidos sobrecarregados e tive que fechar os olhos para gravar os detalhes de seu corpo nu. Mesmo assim, conseguia sentir ele se aproximar, abaixando lentamente o rosto e varrendo o meu  com sua respiração quente. Abri os olhos para vê-lo bem próximo, a encarar meus lábios com curiosidade, os seus próprios entreabertos antecipando o momento. Cruzei o curto espaço que ainda existia e o beijei suave e tentativamente. Levei as mãos ao seu cabelo e embrenhei meus dedos nele, puxando seu rosto em minha direção enquanto senti seus braços se fecharem ao meu redor. A pressão de seus dedos parecia estar me marcando a fogo, e por onde eles passavam sentia um rastro de calor, como se minha pele estivesse coberta de uma fina camada de gelo que ia se derretendo.
Toquei seu pescoço com os lábios, experimentando a pele áspera por conta da barba. Suas mãos se moviam em um frenesi, apertando e descobrindo tudo o que alcançassem, e seus quadris pressionavam os meus. Experimentei mordê-lo de leve, bem sob o maxilar, e a resposta foi um suspiro profundo cuja frequência vibrou através dos meus ossos. Achei o ponto mais macio, e arrisquei uma mordida um pouco mais forte. Firmei meus dedos dos lados de seus quadris e o puxei com força na minha própria direção, fazendo com que ele deixasse escapar um gemido surpreso. A pressão que eu fazia com os dentes começou a aumentar, e quando finalmente a pele se partiu, senti seu corpo tremer e relaxar. Ele tinha tido um orgasmo, mas minha refeição estava apenas começando.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Branca de Neve

O barulho dos sapatos de dança contra o assoalho ditavam o ritmo. Tá-tá- tá-tá-tá. Mexi na gola do meu paletó, desconfortável, e empurrei meus óculos que teimavam em escorregar. As roupas emprestadas do meu irmão mais velho não causavam grande impressão, mas ao menos eu não parecia muito diferente dos outros rapazes. Aquelas eram as aulas de dança para o baile de inverno, dali a duas semanas, e eu nem ao menos tinha ideia de quem seria meu par. Para treinar, a professora me fazia colocar uma das mãos em sua cintura e com a outra, entrelaçava seus dedos roliços como salsichas nos meus.
Nenhuma das outras garotas parecia remotamente comigo - enquanto todas eram altas, magras e pareciam rosadas como pêssegos, eu era como um reflexo pálido na madeira escura. Não formaria um bom par com nenhuma delas e nenhuma aceitaria, se eu convidasse. Já era a décima vez que fazia a professora girar e dessa vez tinha que trocar de par e girar outra garota, mas no meio do caminho um dos meus sapatos d…

Como um meteorito

Pedi companhia à noite para que minha solidão não fosse aparente, e logo ela me cobriu com um manto negro de estrelas. Quando saí de casa, a lua já estava no céu, como um rosto a me observar lá de cima. Aumentei o som nos meus fones de ouvido até que as batidas ficassem quase ensurdecedoras e obscurecessem os suspiros de outros como eu que estavam escondidos pelos cantos da cidade. Escondi uma adaga na bota e ajustei o vestido sob a manta da noite. Poucos passos e a situação que eu queria me foi oferecida. Uma porta de um bar bem iluminado que cheirava a carvalho abriu-se derramando luz dourada na calçada e um homem mal vestido foi jogado para fora.
- E não volte mais! Está me ouvindo?
O cabelo castanho do rapaz refletia de modo muito bonito a luz dourada, e seus olhos faiscaram na minha direção. Ele pareceu embaraçado por um segundo, antes de me oferecer o sorriso mais delicioso que eu já tinha visto e me estender a mão.
- A senhorita, ao contrário, está muito convidada a entrar.
Tat…