Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Janeiro 6, 2010

As Uvas

Com um movimento delgado de sua pequena e magra mão, ela a estendia até o prato, no alto do encosto do divã, e destacava uma das uvas grandes e verdes do cacho com suas longas unhas, pintadas de vermelho. O contraste ácido e delicioso de suas mãos, unhas e a fruta suculenta. Ela levava a fruta até os lábios, também rubros, e a mordia e sugava. Rapidamente, jazia só uma casca vazia: até as sementes ela levava. E, dentro da boca, sentia aquele invólucro fino que cobre a polpa gelatinosa, ácida, doce, cujo sumo escorria pelo canto de seus lábios de modo quase obceno.
Ela esperava por Regard, e embora estivesse impaciente, não o demonstrava. Sorvia as uvas como se provasse um delicado e saboroso vinho, uma de cada vez. Um gole de cada vez. E atirava às cascas ao chão, como que para afrontá-lo e chocá-lo quando ele chegasse; mesmo que ela soubesse que não iria funcionar. Ele tiraria o casaco, jogaria na poltrona e sussurraria, tirando os sapatos:
- Georgia, olhe o que você fez...